Dica Universo - Feira Gastronômica dos Imigrantes: 3º edição

 QUANDO: Domingo, 07/05/2017; Das 12:00 às 18:00.
⇢ ONDE: Lagoa Da Conceicao; Praça Bento Silvério.

A 3° edição da querida Feira Gastronômica dos Imigrantes chegou! E um veranico em pleno outono irá celebrar os encontros entre pessoas e as trocas entre culturas.
Esta Feira é uma cocriação entre imigrantes e brasileiros que buscam a integração ao proporcionar um espaço tão multicultural. Quando falamos em integração social e troca entre culturas, pensamos que o alimento possilita a melhor maneira de conhecer um pouco mais sobre o outro. Por isso, pessoas do Peru, México, Timor Leste, Marrocos, Argentina, Kosovo, Itália, Uruguai e Portugal prepararam uma viagem gastronômica para celebrarmos o encontro.

SOBRE OS ORGANIZADORES E A PROPOSTA DO EVENTO

A Associação Cultural Cachola de Bernunça e o Coletivo Imigra Brasil pretende desenvolver atividades de integração entre imigrantes, refugiados e brasileiros. Neste sentido surgiu a Feira Gastronômica dos Imigrantes. Esta ideia é uma cocriação entre migrantes e brasieliros e faz parte de um programa de integração social com imigrantes e refugiados, como cursos ministrados por migrantes para brasileiros, jantares organizados e cursos de empreendedorismo.

Além da proposta de integração, a Feira pretende gerar uma contribuição de renda para os migrantes. Os contatos estabelecidos e a experiência culinária envolvidos poderão se desdobrar em outras atividades, como jantares organizados, podendo iniciar uma fonte de renda fixa para estes imigrantes.
Esta é a terceira edição da Feira. Nas últimas edições, as pessoas foram introduzidas umas às outras, houve trocas de saberes e fizemos atividades de integração. Aconteceram trocas muito lindas e sinceras. É muito gratificante fazer parte disso tudo.
Acreditamos que uma real integração com as pessoas migrantes é o reflexo de um mundo realmente humano.

POR QUE GASTRONOMIA PARA INTEGRAÇÃO?

A culinária se relaciona a importância da cultura alimentar como memória e fator de propagação de um saber local. Sendo o alimento aquele que identifica uma localidade, uma cultura, um povo, dentro de um processo histórico cultural pode-se dizer muito sobre aqueles que vem migrar para o Brasil. O ato de alimentar-se “circunscreve acontecimentos e, embora conflitiva, uma refeição conjunta pode ser a melhor maneira de se colocar um ponto final nos desentendimentos, reforçando o sentimento coletivo e a integração social.” (MARQUETTO, Rut Maria et al., p.4). Portanto, embora o prazer seja abstrato e individual, a gastronomia possui peculiaridades simbólicas e subjetivas que abrem o leque dos sentidos perceptíveis da pessoa, inclusive para o encontro com o outro, estreitando laços afetivos.

Além disto, a culinária vem desempenhando um papel completamente novo na sociedade e vem demonstrando ser a arte mais difundida e aceita dos últimos tempos. Tornou-se um tema cultural tão importante quanto temas correntes, é reivindicada como aparentada às artes, ou mesmo aos negócios. (DÓRIA, Carlos Alberto in Revista Cult, edição 198). Movimentos como o Slow Food defendem o conceito mais abrangente de cultura alimentar, onde a gastronomia e culinária estão inseridas. Desta maneira, a variedade grande de expressões artísticas dentro do campo da cultura alimentar mostra-se necessária dentro da agenda de políticas públicas. Afim de incluir gastronomia e cultura alimentar entre os beneficiários da política de incentivo fiscal, a própria Lei Rouanet de 1991 foi alterada em 15 de julho deste ano. Sendo assim, seus espaços de socialização e integração revelam-se mais abrangentes e necessários para o público atual.

MAIORES INFORMAÇÕES:
https://www.facebook.com/feiragastronomicadosimigrantes/
Voltar